sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Phellipe Petit - O equilibrista do próprio sonho

Existem sonhos que parecem impossíveis por conta de sua complexidade, mas que ao serem realizados, trazem uma sensação de plenitude, pois foram superadas barreiras consideradas intransponíveis. Desistir ou lutar para o impossível se tornar possível é uma questão de escolha e de força de vontade.


Semana passada, assisti um documentário chamado “O Equilibrista (Man on Wire)”, que contava a história de Phellipe Petit. Ele é um equilibrista francês que começou a andar sobre cordas aos dezesseis anos. No início dos anos 1970, ficou conhecido por se equilibrar em cordas esticadas em grandes edifícios e monumentos. Em 1971, ele fez uma performance para o aniversário de 90 anos de Picasso em Vallarius. No mesmo ano, se equilibrou na Catedral de Notre Dame. Em 1973, ele fez uma performance andando em um cabo estendido entre as duas torres do norte da Ponte da Baía de Sydney, na Austrália, de forma ilegal.


Mas o seu sonho era ir ainda mais alto (literalmente). Tudo começou em 1968, quando Petit foi ao dentista em Paris. Lá ele “roubou” uma página do material que estava lendo. O texto falava de duas torres que iriam ser construídas nos Estados Unidos. Desde então, ele começou a colecionar artigos sobre as altíssimas Torres Gêmeas.

Petit começou a planejar tudo indo para as torres com sua “equipe” de amigos, vendo o processo de construção, calculando as distâncias. Ele conseguiu se esconder dos guardas várias vezes, no topo das torres inacabadas e em outros andares. As obras foram concluídas em 1973 e o plano do equilibrista teve êxito no ano seguinte.

Ele e seus amigos conseguiram subir todos os andares (104 pelo elevador de cargas e 19 pelas escadas) com os equipamentos durante à noite. Com a ajuda de um arco e flecha, atiraram o cabo de uma torre até outra. Na manhã seguinte, em 7 de agosto Petit conseguiu realizar o seu sonho e iniciou a travessia. Os amigos que ficaram na entrada das torres para vê-lo se assustaram no início, pois perceberam que algo caiu lá do alto. Felizmente eram apenas peças de roupas.

Phellipe Petit ficou 45 minutos nas cordas e fez mais de oito vezes a travessia de uma torre até outra, enquanto os policiais mandavam ele se entregar. Só parou quando a polícia ameaçou mandar um helicóptero para tirá-lo de lá. Ele e um amigo foram detidos e, como ficou famoso, as autoridades propuseram um acordo, que se ele fizesse uma apresentação televisionada para as crianças, retirariam as queixas.

Todo o planejamento, as viagens e os esforços trouxeram fama, reconhecimento, admiração e realização pessoal para Petit. O documentário mostra bem a realização de algo inimaginável. O equilibrista superou a altura, o vento, os guardas. Parafraseando Jean Cocteau: “Não sabendo que era impossível, foi lá e fez”.



2 comentários:

brunabora disse...

Baixar o Documentário - O Equilibrista - http://tinyurl.com/cvmfvue

Estopim disse...

Agradecemos a contribuição Bruna.

atenciosamente,

Estopim